Participação no 1º Congresso de Insolvência Empresarial

 

       

O advogado Júlio Cesar Rodrigues participou do 1º Congresso Internacional de Insolvência Empresarial ocorrido nos dias 28 e 29 de agosto, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo. O evento foi promovido pelo IBAJUD – Instituto Brasileiro de Administração Judicial e reuniu os maiores nomes do direito de insolvência no Brasil e em Portugal. Foram discutidos aspectos controvertidos da Lei 11.101/2005, que trata da falência e da recuperação judicial de empresas no Brasil, e um dos painéis traçou paralelos com a legislação portuguesa.

Participação em seminário

O advogado Júlio Cesar Rodrigues, sócio do escritório RODRIGUES NETO ADVOGADOS, participou como debatedor no Seminário Paranaense de Recuperação Judicial e Falência, ocorrido no dia 15 deste mês, no Tribunal de Justiça do Paraná, em Curitiba. O evento foi promovido pela Escola da Magistratura do Paraná e pelo Instituto Brasileiro de Administração Judicial (IBAJUD) e teve a participação de mais de 200 pessoas entre juízes, desembargadores, advogados e estudantes. Júlio Cesar Rodrigues atuou no painel “Boas Práticas da Administração Judicial” ao lado do presidente do IBAJUD, Bruno Oliveira Castro, e do advogado Alexandre Nasser de Mello. A mesa foi presidida pela juíza Débora Redmond.

Titulares de conta-corrente conjunta são responsáveis por todo o saldo bancário 27/1/2016

  • Cada um dos titulares de conta-corrente conjunta é responsável por todo o saldo depositado no banco, de forma solidária, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) aplicado em julgamentos de casos semelhantes.

    As diversas decisões da corte sobre o tema Análise da responsabilidade dos titulares de conta-corrente conjuntaforam reunidas e podem ser acessadas na Pesquisa Pronta, ferramenta on-line criada para facilitar o acesso à jurisprudência do STJ.

    No total, foram destacados 25 acórdãos, decisões já tomadas por um colegiado de ministros do tribunal, sobre o tema.

    Para os ministros do STJ, a conta conjunta é uma modalidade de conta de depósito à vista, com mais de um titular que pode sacar os recursos a qualquer momento.

    “Os titulares da conta são credores solidários da instituição financeira em relação aos valores depositados. Trata-se, assim, de solidariedade ativa no que respeita à movimentação dos valores em conta”, lê-se em um dos acórdãos.

    Nesse sentido, o entendimento do STJ é de que cada um dos correntistas é credor de todo o saldo depositado, de forma solidária, e o valor pode ser penhorado em garantia de pagamento, por exemplo, mesmo que apenas um dos titulares seja o responsável tributário pela dívida.

    Fonte: STJ

Leia mais